Exercício físico durante a gravidez

Segundo Gouveia et all (2007), nos últimos anos temos assistido a um grande desenvolvimento da investigação sobre o exercício físico durante a gravidez. Porém muitas são as dúvidas que prevalecem e levam à diminuição da sua frequência. A prática de exercício físico diminuiu significativamente durante a gravidez, apesar da maioria das mães compreender os benefícios do exercício físico nesta fase tão especial.

São conhecidos os vários efeitos positivos da atividade física durante a gravidez, mas as que os médicos mais destacam, passa pela redução dos casos de pré-eclampsia, diabetes gestacional e ganho de peso excessivo durante a gravidez. Segundo Gouveia et all (2007) apesar de todas as recomendações ainda existem muitas mulheres inativas durante a gravidez (grávidas sem problemas clínicos que impeça a prática de exercício físico) e que mantêm o mesmo comportamento após o parto (principalmente durante os meses de licença de maternidade).

Para Ginar da Silva (2017) a nível mundial é seguida as recomendações, de exercício na gravidez, publicadas pelo American College of Obstetricians and Gynecologists (ACOG). Segundo esta instituição existem diversos benefícios, durante a gravidez, na prática de atividade física, não existindo consequências adversas. Não existem limites na frequência cardíaca, durante a prática de atividade física e aconselha-se que as mulheres grávidas, as que não praticavam exercício físico antes da gravidez, realizem 30 minutos ou mais de exercício aeróbico e de força/ resistência, de intensidade moderada, três vezes por semana, começando por 15 minutos e ir aumentando ao longo das sessões de treino.

As mulheres que antes da gravidez tenham uma atividade física intensa deverão continuar com a prática da mesma, mas a intensidade deverá ser adaptada ao longo da gravidez, sempre acompanhada por um profissional do exercício físico. O mais recomendado é a conjugação de exercícios aeróbicos, de resistência muscular e de alongamento muscular, dividido pelas sessões de treino.

Prescrição de Exercícios para Grávidas (Lira do Nascimento et all, 2014):

  • Tipos de Exercícios: a grávida deverá escolher uma atividade que melhor se adapte às suas características e interesses para, com isso, aumentar a adesão ao exercício escolhido a longo prazo. Devem ser evitados exercícios que coloquem a grávida ou o feto em risco, como atividades de alto impacto, com risco de queda e desportos de contato.
  • Exercícios Aeróbios: a caminhada é o exercício mais frequentemente escolhido pelas grávidas. O objetivo do exercício aeróbico durante a gravidez consiste em manter a capacidade cardio-respiratória e a condição física ao longo dos meses, além de prevenir o aumento de peso, a diabetes gestacional e a hipertensão gestacional. Deverão ser incluídas atividades que envolvam grandes grupos musculares, como caminhada ou corrida leve (trote), bicicleta estática, natação, hidroginástica, dança ou ginástica aeróbica de baixo impacto.
  • Treino de Resistência Muscular: o fortalecimento muscular permite uma melhor adaptação do organismo materno às alterações posturais provenientes da evolução da gravidez e contribui para a prevenção de traumas e quedas, bem como para a prevenção e tratamento de desconfortos músculo-esqueléticos. O fortalecimento muscular deve dar prioridade à zona da lombar, cintura escapular e envolver grandes grupos musculares. Deve-se preferir utilizar o peso corporal e bandas elásticas (grávidas que não realizavam atividade física antes da gravidez) e no caso de aparelhos de musculação ou pesos livres, usar-se cargas mais baixas (para quem já realizava este tipo de exercícios antes da gravidez).
  • Alongamento Muscular: é parte fundamental dos programas de exercício, permitindo melhorar a flexibilidade e o relaxamento muscular, ajudando na adaptação postural e na prevenção de dores de origem músculo-esquelética. Atenção que devido ao aumento dos níveis de relaxina e de progesterona durante a gravidez, é desaconselhado os alongamentos extremos para prevenir lesões dos ligamentos e articulações.
  • Treino dos músculos do pavimento pélvico: segundo vários estudos científicos, o fortalecimento do pavimento pélvico durante a gravidez diminui o risco de incontinência urinária no pós-parto. Estes exercícios deverão ser realizados durante a gravidez como no pós-parto. A grávida deverá contrair e manter a contração da zona vaginal durante cinco a dez segundos e de seguida realizar contrações rápidas (contrair e relaxar) em diferentes posições (sentada, deitada de lado ou em pé). Aconselha-se realizar, diariamente, duas séries de oito contrações sustentadas por cinco segundos e duas séries de dez contrações rápidas.

BIBLIOGRAFIA

GOUVEIA, RAQUEL; MARTINS, SARA; SANDES, ANA RITA; NASCIMENTO, CATARINA. Gravidez e Exercício Físico – Mitos, Evidências e Recomendações. Faculdade de Medicina de Lisboa. Acta Med Port 2007; 20: 209-214. Lisboa (2007);
GINAR DA SILVA, SHANA; Atividade Física na Gestação e Desfechos de Saúde Materno-Infantil. Tese de Doutoramento. Brasil (2017);
LIRA DO NASCIMENTO, SIMONY; GODOY, ANA CAROLINA; SURITA, FERNANDA GARANHANI; PINTO E SILVA, JOÃO LUIZ. Recomendações para a Prática de Exercício Físico na Gravidez: uma Revisão Critica da Literatura. Brasil (2014)

ÚLTIMOS ARTIGOS