Exercício e osteoporose

Segundo Marcus (2000) a osteoporose é uma doença do esqueleto com quantidade óssea diminuída, acompanhada por alterações da arquitectura microscópica do osso, que leva uma pessoa a ter mais hipóteses de sofrer uma fractura com um pequeno traumatismo, ou mesmo sem ele.

Assim, segundo a Associação Portuguesa de Osteoporose em 2000, pode-se definir a osteoporose como uma diminuição da quantidade de osso e deterioração da sua estrutura, originando fragilidade óssea, e consequente maior risco de fraturas, sendo as mais frequentes as da anca, pulso e vértebras.

Uma nota importante e de conhecimento comum, é que a raça negra possui uma maior percentagem de massa óssea quando comparado com a raça branca.

Os principais tipos de Osteoporose são:

  • Osteoporose pós-menopausa: atinge mulheres após a menopausa.
  • Osteoporose senil: atinge pessoas com mais de 70 anos.
  • Osteoporose secundária: atinge pessoas com doença renal hepática, endócrina, hematológica ou que usam alguns medicamentos, por exemplo, corticóides.

Remodelação óssea:

  • Num adulto jovem normal, cerca de 30% da massa óssea é renovada anualmente.
  • Em cada unidade de remodelação, a reabsorção óssea osteoclástica dura cerca de três dias e formação óssea 70 dias.
  • A taxa de formação óssea linear é de 0.5mm/dia.
  • Teoricamente, quantidade de osso formado, em cada unidade de remodelada, é igual a quantidade de osso que anteriormente foi reabsorvido. Assim, a massa esquelética total permanece.
  • A homeostasia do esqueleto depende da actividade normal de remodelação.

Determinantes da massa óssea, fatores de risco:

  • Genética (etnia e sexo feminino);
  • Baixo Índice de Massa óssea;
  • Dieta;
  • Exercício;
  • Menopausa (factores hormonais);
  • História médica;
  • Medicação.

Osteoporose e a importância da actividade física

A actividade física é capaz de envolver um óptimo funcionamento de todo o corpo, relativamente ao sistema musculosquelético, cardiovascular e pulmonar.

Pode-se comparar o corpo humano a uma máquina: se não for utilizado, com o passar do tempo, vai-se oxidando e deteriorando, sendo cada vez mais difícil move-lo e pô-lo a funcionar. Todo o corpo humano para funcionar necessita de movimento.

Os riscos de um programa de exercícios, são maiores quando destinados para a terceira idade. Isso deve-se ao facto de os idosos possuírem músculos mais fracos, tendões mais curtos, apos anos de inactividade e uma diminuição do balanço corporal.

Prescrição do Exercício para a osteoporose:

  • Alongamentos;
  • Treino de equilíbrio e coordenação motora;
  • Fortalecimento muscular.

É preferível reduzir o tempo de exercício de cada sessão do que o nº de sessões.

O fenómeno de dessensibilização na presença de cargas mecânicas extensivas.

Saturação do efeito anabólico.

Com exercícios, os pequenos ganhos em mineral ósseo podem resultar em grandes melhorias na força dos ossos, porque a nova formação óssea é frequente localizada na superfície do osso onde as deformações mecânicas foram maiores.

O exercício físico praticado diariamente reflete mais tarde na saúde dos indivíduos. “Cada pessoa tem características únicas e necessidades diferentes, por isso é fundamental um programa personalizado, que se adapte ao condicionamento físico atual e que ajude o aluno a progredir lentamente, para que os resultados permaneçam”,

Assim, pode-se concluir que o exercício físico é um meio importante na prevenção e no tratamento da osteoporose, mas não é o suficiente para a manutenção da integridade do esqueleto, mas é sim, um requisito fundamental, a par de outros.

Profª Andreia Oliveira – Pump Gaia

Referências bibliográficas

Mitchell SL, Grant S, Aitchison T. Physiological effects of exercise on post-menopausal osteoporotic women. Physiotherapy 1998; 84(4): 157-63.

Consensus Development Conference: Diagnosis, prophylaxis and treatment of osteoporosis. Am J Med 1993 apud Rennó ACM, Driusso P, Ferreira V. 2001

Plapler PG. Osteoporose e exercícios. Rev Hosp Clín Fac Med S Paulo 1997; 52(3):163-170.

Borelli A. Envelhecimento ósseo: osteoporose. In: Filho ETC, Netto MP. Geriatria – Fundamentos, clínica e terapêutica. 1ªed. São Paulo: Atheneu 2000; 22: 297-307.

Rennó ACM, Driusso P, Ferreira V. Atividade física e osteoporose: uma revisão bibliográfica. Fisioter Mov 2001; 13(2): 49-54.

Szejnfeld VL. Alterações ósseas: fisiopatologia, diagnóstico e tratamento. In: Fernandes CE. Menopausa: diagnóstico e tratamento. 1ªed. São Paulo: Seguimento 2003; 49-9.

http://www.pdr.pt/conteudos/dircontactos/directorio-contactos-detalhe.aspx?id=24

ÚLTIMOS ARTIGOS